quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Porque espirramos

Espirro ou esternutação é uma forma do corpo expulsar o dioxido de carbono em excesso, sob a forma de particulas liquidas (perdigotos). O espirro é geralmente um acontecimento ruidoso, mal cheiroso, e torna-se particularmente desagradavel quando a pessoa que espirra nao põe a mao à frente. O espirro é uma expulsão de ar, convulsiva e semi-autônoma, do nariz e boca. Algumas doenças podem ser transmitidas pelo espirro que espalha até 40.000 gotículas infecciosas cujo diamêtro varia de 0.5 a 5 µm.
O espirro geralmente é causado por irritação e às vezes por bloqueio bacteriano na garganta, pulmões ou nas passagens do nariz. Para espirrar de proposito, recomendamos que faça cocegas com uma pena no nariz. Substâncias que causam alergia como pólen, pêlos de animais, poeiras, assim como outras partículas que não causam alergia são geralmente inofensivas, mas quando irritam o nariz, o corpo responde ao expirá-las das passagens nasais.
Geralmente é considerado impossível alguém manter as pálpebras abertas durante um espirro. O reflexo de fechar os olhos é devido a uma proposta não óbvia: os nervos que servem os olhos e nariz estão próximos e relacionados, e o estímulo a um deles geralmente estimula alguma resposta no outro. Entretanto o fechamento dos olhos pode proteger os ductos lacrimais e vasos sanguíneos das bactérias expelidas no espirro.

Nunca obstrua seu nariz ao espirrar, isso pode ser perigoso

Porque soluçamos

O soluço é resultado de uma contração involuntária do diafragma, um fino músculo que separa o tórax do abdômen e que, juntamente com os músculos intercostais externos, é responsável pelo controle da respiração. Seus movimentos de contração e relaxamento permitem que inspiremos e expiremos o ar e são controlados pelo nervo frênico, situado logo acima do estômago. Os incômodos do soluço surgem a partir de uma irritação do nervo frênico, cujas causas podem ser diversas (distensão gástrica pela ingestão de bebidas com gás, deglutição de ar ou alimentação em grande volume; mudanças súbitas da temperatura de alimentos ingeridos; modificações da temperatura corporal, como sauna seguida de ducha gelada; ingestão de bebidas alcoólicas; ou até mesmo gargalhadas). Quando ele fica ou sensibilizado, envia uma mensagem para o diafragma se contrair, o que dispara o soluço.
O característico barulhinho "hic, hic" surge quando ocorre fechamento súbito da glote (abertura superior da laringe, onde se localizam as cordas vocais), produzindo vibração nas cordas vocais.

O soluço geralmente é benigno, mas persistindo é bom procurar orientação médica.

A diferença entre camelo e dromedário

Eles se diferem fisicamente por três coisas: o número de corcovas, a altura e o tipo de pêlo. Além disso, o hábitat deles não é o mesmo. Ambos são originários de um ancestral comum - que viveu na América do Norte há 40 milhões de anos - mas agora vivem em diferentes regiões do planeta. O camelo (Camelus bactrianus) é encontrado apenas na Ásia Central, ao passo que o dromedário (Camelus dromedarius), conhecido como camelo árabe, espalha-se não só por parte do continente asiático como também pela África. Na verdade, é ele que se vê naqueles filmes passados no deserto do Saara. Parentes bem próximos, esses dois mamíferos ruminantes são as únicas espécies da família Camelidae e são usados pelo homem como meio de transporte em regiões desérticas. Rápidos e resistentes, os dromedários podem correr a 16 km/h por até 18 horas seguidas.
Já os camelos viajam bem mais lentamente, a cerca de 5 km/h, mas em compensação são capazes de levar pesadas cargas em viagens de até 50 quilômetros de distância. Em comum ambos têm a capacidade de ficar durante vários dias sem beber água - há registro de animais que agüentaram até 17 dias sem um golinho sequer. Por serem "primos" não muito distantes, camelos e dromedários podem cruzar entre si, gerando crias que também são capazes de se reproduzir.

Camelo - duas corcovas, possuem patas mais curtas, possuem pêlos longos e vistosos na coxa, cabeça e garupa

Dromedário - uma corcova, possuem pernas mais longas, corpo coberto por pelagem curta.

Dromedário, Camelus dromedarius. Camelus dromedarius (Dromedário)

Camelo-bactriano, Camelus bactrianus. Camelus bactrianus (Camelo)

Porque o louva-a-deus tem esse nome

O louva-a-deus ou cavalinho-de-deus é um inseto da ordem Mantodea. Há cerca de 2400 espécies de louva-a-deus, a maioria das quais em ambiente tropical e subtropical. Seu nome popular decorre do fato de que, quando está pousado, o inseto lembra uma pessoa orando. Os louva-a-deus são insetos relativamente grandes, de cabeça triangular, tórax estreito com pronoto e abdómem bem desenvolvido. São predadores agressivos que caçam principalmente moscas e afídios (pulgões ou piolhos-das-plantas). A caça é feita em geral de emboscada, facilitada pelas capacidades de camuflagem do louva-a-deus. Como não possuem veneno, os louva-a-deus contam com as suas pernas anteriores que são raptatórias, ou seja, modificadas como garras, para segurar a presa enquanto é consumida. A sua voracidade leva a que sejam considerados muito bem vindos pelos amantes da jardinagem e agricultura biológica, uma vez que, na ausência de pesticidas, são um fator importante no controlo de pragas de jardim. Na América do Norte ocorrem apenas três espécies de louva-a-deus, duas das quais introduzidas no início doséculo XX para este mesmo efeito. O voo do louva-a-deus é algo impressionante. Remete ao voo de um caça de combate. Ele também tem a capacidade de desviar de ataques de morcegos em pleno voo executando mergulhos.

Praying mantis india.jpg Mantodea (Louva-a-deus)

Porque as formigas se deslocam em fila indiana

As formigas, o grupo mais popular dentre os insetos, são interessantes porque formam níveis avançados de sociedade. As formigas estão incluídas em uma única família, Formicidae, com 12.585 espécies. distribuídas por todas as regiões do planeta, exceto nas regiões polares. As formigas são o gênero animal de maior sucesso na história terrestre, constituindo de 15 a 20% de toda a biomassa (quantidade total de matéria viva existente num ecossistema ou numapopulação animal ou vegetal).
As formigas se comunicam geralmente por uma química chamada feromonas ou feromônio (substâncias químicas que, captadas por animais de uma mesma espécie (intra-específica), permitem o reconhecimento mútuo e sexual dos indivíduos), esses sinais de mensagens são mais desenvolvidos na espécie das formigas que em outros grupos de himenópteros. Como as formigas passam a vida em contato com o solo, elas deixam uma trilha de feromônio que pode ser seguida por outras formigas. Quando uma obreira encontra comida ela deixa um rastro no caminho de volta para a colônia, e esse é seguido por outras formigas que reforçam o rastro quando elas voltam à colônia. Quando o alimento acaba, as trilhas não são remarcados pelas formigas que voltam e o cheiro se dissipa. Esse comportamento ajuda as formigas a se adaptarem à mudanças em seu meio. Quando um caminho estabelecido para uma fonte de comida é bloqueado por um novo obstáculo, as obreiras o deixam para explorar novas rotas. Se bem sucedida, a formiga retorna e marca um novo rastro para a rota mais curta. Trilhas bem sucedidas, são seguidas por mais formigas, e cada uma o reforça com maisferomônio (as formigas seguirão a rota mais fortemente marcada).

Formigas em fila indiana

O que são Lactobacilos vivos

Bactérias dentro do nosso corpo nem sempre são sinal de doença. Muito pelo contrário: cada milímetro quadrado de um intestino saudável deve ter cerca de 10 bilhões de microorganismos vivendo nele para funcionar corretamente. Essa é a chamada flora intestinal, que, em muitos casos, têm seu número reduzido, seja por alguma enfermidade seja pelo uso de antibióticos. Isso não apenas dificulta a digestão, como torna o aparelho digestivo vulnerável ao ataque de microorganismos nocivos. É aí que entram os tais lactobacilos, para ajudar a combater essa carência da flora intestinal. As bactérias do gênero lactobacillus não são as mais numerosas, mas têm uma grande vantagem: podem ser ingeridas e ainda chegar vivas ao intestino, atravessando sem problemas o estômago, ambiente ácido onde a maioria dos microorganismos não sobrevive.
Uma vez no intestino, esses seres se reproduzem com grande rapidez e ainda criam um ambiente propício para que outras bactérias benignas possam se estabelecer ali. Como se não bastasse, eles produzem um muco que protege as vilosidades (pequenas dobraduras) intestinais e também sintetizam parte das vitaminas do complexo B de que necessitamos. Os lactobacilos podem ser encontrados no leite que acabou de sair da vaca, mas não estão presentes no leite pasteurizado que encontramos à venda. Os produtos comercializados que contêm lactobacilos vivos são o iogurte e os chamados probióticos: alimentos especialmente destinados a ajudar nosso sistema digestivo pela introdução de microorganismos.

Lactobacilos

Porque a Urtiga queima a pele

O nome urtiga vem do latim urere (= arder) e é uma designação genérica de várias plantas que apresentam um mecanismo de ação semelhante. A mais comum delas é a Urtica dioica.
Nessas plantas existem diversas substâncias, principalmente a histamina, acetilcolina e ácido fórmico que, quando entram em contato com a pele, provocam dilatação dos vasos sangüíneos e uma espécie de inflamação.
As substâncias agressivas ficam armazenadas em minúsculos pêlos que se espalham pelo caule e folhas da planta. A parte inferior do pêlo apresenta incrustações de cálcio, o que lhe dá rigidez, mas a ponta é frágil e se rompe ao mais ligeiro toque.

Urtica dioica Urtica dioica

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Como acontece a cárie

As cáries dentárias são orifícios que são causados pela decomposição gerada pela ação das bactérias na boca. A parte exterior do dente está coberta por uma camada dura de esmalte, cuja função é proteger os dentes de qualquer agressão externa. Quando esta camada desaparece progressivamente, deixa de proteger a dentição e permite aos germes presentes na boca atacarem os dentes. O interior é macio e contém nervos e vasos sangüíneos. As cáries são produzidas quando a decomposição atravessa o esmalte e chega à cavidade interior do dente. Sente-se dor extrema quando a decomposição atinge o nervo. As cáries não são perigosas quando tratadas corretamente. Deixar um buraco no dente e o nervo exposto pode provocar uma infecção e até mesmo a perda do dente. Uma infecção não tratada invariavelmente chegará à raiz e ao osso, provocando um abscesso.
A cárie dentária é causada pela ação do ácido lático (que provem da decomposição da comida e bebida produzida pela ação das bactérias que habitam na boca), que provoca a erosão do esmalte e sua posterior corrosão. A principal bactéria responsável pela cárie é a Streptococus mutans. Outros fatores que desencadeiam a cárie dentária são a deficiente higiene bucal, a freqüente ingestão de alimentos açucarados, etc.
O melhor cuidado que se pode ter em relação aos dentes é a prevenção, para isto é necessário: assegurar-se de que a água potável da comunidade tenha sido fluorada em um nível de um por um milhão; usar pasta de dente; escovar os dentes e utilizar fio dental; visitar regularmente se o dentista para fazer a limpeza das arcadas dentárias (que deve ser realizada de seis em seis meses); ter uma dieta equilibrada; evitar doces e bebidas açucaradas entre as refeições; a saliva ajuda a prevenir as cáries, desde que a boca esteja limpa.

Cárie dentária

Porque as Cigarras cantam tão alto

Os insetos utilizam o som para várias finalidades, como comunicação, ataque, defesa e acasalamento. No caso das cigarras, o canto é usado pelos machos para atrair as fêmeas e, assim, realizar a cópula. "O canto das cigarras é produzido por um órgão na base do abdômen, uma espécie de caixa acústica, que possui uma membrana vibrátil". As fêmeas também possuem esse mesmo órgão, porém sem a membrana vibrátil, o que impossibilita a produção de som. Além da cigarra - que pertence à ordem Homoptera -, os grilos, os gafanhotos e as esperanças, todos da ordem Orthoptera, também produzem sons. Como o canto é usado apenas durante a época reprodutiva, as cigarras só o emitem na fase adulta. Nos períodos dessa sinfonia animal, os machos se fixam no alto das plantas, geralmente ao amanhecer ou ao entardecer, e cantam incessantemente em busca de uma parceira.
No abdômen da cigarra macho há o órgão cimbálico. Ele tem músculos que são contraídos quando o inseto quer emitir seu som característico para atrair as fêmeas. Quando esses músculos contraem, eles fazem vibrar uma espécie de caixa acústica no interior da cigarra, uma bolsa de ar envolta por uma membrana. É essa vibração que produz o som típico da cigarra macho. As fêmeas têm um órgão cimbálico atrofiado e não possuem a membrana vibrátil, por isso não emitem o som.

Cigarra negra Cigarra negra

domingo, 22 de agosto de 2010

Explicando a anemia

A anemia é uma anomalia que ocorre quando a quantidade de hemoglobina (proteína contendo ferro presente nos glóbulos vermelhos) diminui, dificultando o transporte do oxigênio até os tecidos do organismo. É a anomalia mais comum do sangue já que existem várias classificações para tal, como a anemia da carência do ferro, da carência da vitamina B12 e/ou do ácido fólico, anemia genética e outras. A anemia mais comum é a provocada pela falta de ferro no organismo e ocorre principalmente em crianças e em pessoas do sexo feminino em períodos de adolescência, reprodução, gestação e lactação. Para detectar tal anomalia é necessária a realização de exames de sangue, como hemograma, pois através desse percebe-se a quantidade de células sanguíneas, o nível de hemoglobina e ainda seus respectivos volumes.
Uma pessoa anêmica pode sentir fraqueza, palidez, cansaço, falta de apetite, náusea e ainda apresentar perda de peso e escurecimento da urina. A anemia ainda pode ser aguda ou crônica. A anemia aguda é provocada pela perda de sangue ou pela destruição dos glóbulos vermelhos podendo ainda manifestar queda de pressão arterial, tonteira e desmaio. A anemia crônica ocorre pela diminuição da hemoglobina e dos glóbulos vermelhos manifestando fadiga generalizada, anorexia, apatia e dificuldade de aprendizagem. Como a anemia possui várias classificações, o tratamento é variável. De acordo com a anemia mais comum o tratamento para a anomalia provocada pela carência de ferro consiste na ingestão de suplementos e alimentos à base de ferro.

hemácias

Botulismo - cuidado ao ingerir Palmito de procedência duvidosa

O botulismo é uma doença causada por bactérias (espécie = Clostridium botulinum), provocando intoxicação por meio de substâncias que agem sobre o sistema nervoso de pessoas contaminadas, interrompendo o mecanismo de condução dos impulsos neuronais entre o neurônio motor e os músculos.
O contágio ocorre através do consumo de alimentos contaminados por bactérias ou esporos de bactérias, ocasionada pela ingestão de mantimentos mal higienizados, geralmente produtos de origem caseira (conservas artesanais inadequadamente preparadas e acondicionadas como palmitos), ou produtos alimentícios industrializados (os enlatados), apresentando: aspecto visual (cor diferente da aparência comum), cheiro e sabor alterados, bem como embalagens danificadas, propiciando a contaminação e proliferação dos microorganismos patogênicos.
Entre os principais sintomas observados, estão: náusea, seguida de indisposição muscular contínua e repentina tremulação dos membros superiores, podendo este quadro clínico evoluir, agravando-se de tal forma a causar uma parada respiratória em face da disfunção na distensão da cavidade torácica, com implicação das trocas gasosas. É aconselhável, mesmo antes da acentuação dos sintomas, procurar de imediato um centro de referência especializado em infectologia.
A toxina botulínica (Botox) é usada em pequenas doses, como tratamento cosmético temporário, porém seus riscos não devem ser ignorados. A sua intensa capacidade paralítica é desejada por individuos que procuram esconder as suas rugas (as rugas são causadas por contrações musculares) e outras imperfeições faciais.

Clostridium botulinum

Água viva perigo vindo do mar

As águas-vivas ou Medusas são animais pertencentes ao Filo Cnidaria. De corpo relativamente transparente e consistência gelatinosa, possuem uma célula denominada cnidoblasto, esta capaz de provocar queimaduras e irritações dolorosas na pele daqueles que entram em contato com estes organismos. Mais concentrada na região da boca e tentáculos, esta estrutura possui uma cápsula em seu interior que, nestas situações, dispara como um gatilho na presença de uma ameaça em potencial, liberando uma substância tóxica que, em alguns casos, pode também provocar reações alérgicas. As espécies mais comuns do Brasil são a Chiropsalmus quadrumanus e aTamoya haplonema, esta última mais comum em regiões de mar aberto. São avistadas, geralmente, flutuando na superfície da água ou na areia da praia.

A medusa-juba-de-leão, Cyanea capillata, uma das maiores, pode causar incómodo, mas raramente é fatal.

Porque choramos ao cortar uma cebola

Cebola é o nome popular da planta cujo nome científico é Allium cepa. Na Botânica é conhecida como bulbo (parte referente ao caule em forma discoidal da qual partem raízes e folhas modificadas).
A cebola possui várias substâncias químicas que estimulam nosso olfato, paladar e os olhos. Quando descascamos ou cortamos cebola, ocorre uma grande destruição de células que liberam uma enzima chamada alinase, a qual provoca a transformação de sulfóxidos em ácidos voláteis. Terminações nervosas localizadas no nariz se comunicam instantaneamente com as glândulas lacrimais, provocando grande quantidade de lágrimas. Essas por sua vez, possuem uma substância de proteção chamada lisosina que retira dos olhos a substância lacrimejante liberada pela cebola. Colocar a cebola na geladeira diminui a ação da enzima e, por isso, pode ser uma forma de reduzir a liberação das substâncias que causam lacrimejamento.

Cebolas Allium cepa (cebola)

Alergia - O que é e como surge

Alergia significa uma situação na qual o organismo apresenta uma resposta imunológica (de defesa) diferente da resposta protetora esperada, causando alterações indesejáveis. O termo “alergia” vem do grego “allos”, que significa alterações do estado original. Então, a alergia é uma reação específica do sistema de defesa do organismo à substâncias normalmente inofensivas. Pessoas que tem alergias frequentemente são sensíveis a mais de uma substância. Substâncias ou alergenos que causam reações alérgicas - incluem: Pólens, poeira, alimentos, fungos, inseticidas e medicamentos. Quando a alergia afeta o sistema respiratório, é chamada de alergia respiratória. No caso da Rinite (irritação e inflamação aguda ou crônica da mucosa nasal) na forma alérgica em crianças, por exemplo, podemos citar o tabagismo passivo (estando perto de quem fuma) no primeiro ano de vida, herança genética e exposição a pêlos de animais. O sistema imune gera grandes quantidades de um anticorpo chamado Imunoglobulina E (IgE). Cada IgE é específico para cada tipo de alergeno. No caso da alergia ao pólen, um tipo de anticorpo pode ser produzido para reagir contra um tipo de pólen, enquanto outro pode ser produzido para combater outro tipo de pólen. Quando um alergeno (pólen, pó ou outro) entra em contato com seu anticorpo IgE específico, vários elementos químicos são liberados no sangue e passam a agir em várias partes do corpo, assim como no sistema respiratório, causando os sintomas da alergia. Na alergia respiratória os sintomas são: espirro, coriza, obstrução nasal, tosse, olhos, nariz e garganta avermelhados e chiado no peito.

Uma eletromicrografia de um ácaro (Aceria anthocoptes). A barra branca tem 30 µm. O Ácaro é o principal causador de alergia respiratória nos seres humanos.

Frutos e Frutas

Em termos botânicos, o fruto é uma estrutura presente em todas as angiospermas ou magnoliófitas (vegetais cujo as sementes estão protegido pela estrutura denominada fruto) onde as sementes são protegidas enquanto amadurecem. De forma prática, os frutos são quaisquer estruturas das Angiospermas que contém sementes.
Os frutos derivam-se do ovário das flores. Após a fecundação dos óvulos em seu interior, o ovário inicia um crescimento, acompanhado de uma modificação de seus tecidos provocada pela influência de hormônios vegetais, que interferem na estrutura, consistência, cores e sabores, dando origem ao fruto. Os frutos mantêm-se fechados sobre as sementes até, pelo menos, o momento da maturação. Quando as sementes estão prontas para germinar, os frutos amadurecem, e podem se abrir, liberando as sementes ao solo, ou tornam-se aptos a serem ingeridos por animais, que depositarão as sementes após estas passarem por seu aparelho digestivo. Os fruto verdadeiro se orgina do ovario da planta.
Há uma certa confusão entre os termos "fruto" e "fruta". Nem todos os alimentos conhecidos como frutas são frutos, e muitos frutos não são reconhecidos pelo leigo como frutas. Exemplos de frutos rotulados como "legumes" são a abobrinha, o tomate, e o quiabo, que são frutos por terem se desenvolvido a partir de ovários fecundados, e por apresentarem sementes em seu interior. Analogamente, pseudofrutos (ou "falso fruto", termo que vem sendo substituído por “fruto acessório”, é um desenvolvimento de um tecido vegetal adjacente à flor que sustenta o fruto, de forma que este se assemelhe em cor e consistência a um fruto verdadeiro que, por definição, é proveniente do desenvolvimento do ovário, como o abacaxi e o figo são considerados "frutas").

Pimentas, fruto da pimenteira Capsicum annuum.

Caju: Fruto com pseudofruto.

Carnaúba a árvore da vida

A carnaúba, cujo nome científico é Copernicia prunifera, deriva do Tupi e significa árvore que arranha. É encontrada no nordeste brasileiro, principalmente nos estados do Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte. Essa planta típica produz cera em suas folhas, um tipo de lipídeo capaz de evitar a perda da umidade através de transpiração em razão de o clima do local onde se encontram ser muito quente. Ela é conhecida também como “Árvore da vida”, sua planta atinge cerca de 15 metros de altura, os frutos se formam em cachos. Solos argilosos e margens de rios, salinidade alta são algumas das características suportáveis pela carnaúba. Mesmo sofrendo estresse hídrico, essas plantas conseguem resistir às adversidades da caatinga.
Por tratar-se de uma planta adaptada ao clima semi-árido, a Carnaúba oferece possibilidades de atividades econômicas mesmo durante o período de estiagem, tratando-se portanto de importante alternativa na composição da renda familiar das comunidades rurais.
A cera da Carnaúba é utilizada em indústrias alimentícias, em produtos automotivos como lubrificantes, em cosméticos e também por surfistas, que preferem usar em suas pranchas.

Copernicia alba.jpgCarnaubeira

A aranha não é um inseto

Todo inseto é artrópode (característica de animais que possuem membros rígidos e articulados), mas nem todos artrópode (filo - subdivisão do reino animal) é inseto (classe - outra subdivisão do reino animal). Um exemplo disso está na aranha, animal invertebrado (não possuem espinha dorsal e nem crânio) e artrópode, pertencendo a classe dos aracnídeos ou arachnida, portanto, não é inseto como diversas vezes é confundida. Existem cerca de 40.000 espécies de aranhas. Possuem oito pernas, enquanto os insetos possuem seis, e seus olhos são lentes únicas, em vez de lentes compostas. Elas podem ter 8, 6, 4, 2 ou mesmo nenhum olho, como no caso de algumas espécies cavernícolas.
Dados interessantes:
  • Produzem teias, que são 5 vezes mais fortes do que o aço no mesmo diâmetro.
  • Além disso a teia pode ainda se esticar 4 vezes mais que seu comprimento inicial.
  • As teias resistem a água e a temperaturas até -45°C sem se romperem.
  • A aranha poderia morrer presa em sua própria teia, mas sua pata é equipada com pêlos que não permitem que isso aconteça.
  • Existem 40.000 espécies de aranhas conhecidas, mas alguns estudiosos calculam este número pode chegar a 100.000.
  • Essas 40.000 espécies são divididas em mais de 100 famílias, sendo que cerca de 30 delas são consideráveis perigosas para o homem.
  • A maior aranha do mundo é a Theraphosa blondi e chega a medir até 20 centímetros de uma pata a outra, já a menor é a Patu digua que tem o tamanho da cabeça de um alfinete.
  • Os filhotes aprendem a fabricar teia sozinhos.
  • Algumas aranhas sobem em pontos altos, liberam um fio de teia e se deixam levar pelo vento, povoando assim ilhas e continentes.

A.argentata02.jpgArgiope argentata (aranha de prata)

sábado, 21 de agosto de 2010

A vida curta das borboletas

As borboletas são insetos com dois pares de asas com membranas cobertas com escamas e peças bucais adaptadas a sucção. Vive melhor em regiões tropicais pelo clima quente e alimento abundante. Diferem das traças pelas antenas e pelo hábito diurno. Existem aproximadamente 200 mil espécies de borboletas, mas somente 120 mil estão registradas.
As borboletas são fecundadas pelo macho após deixarem a crisálida (estágio entre larva e o adulto ou casulo). A fêmea procura uma planta para colocar seus ovos, em alguns dias os ovos eclodem e saem lagartas que comem a casca dos ovos e a partir daí começam a comer folhas e não fazem outra coisa senão comer.
A próxima etapa da metamorfose das borboletas é chamada pupa (desenvolvimento dentro da crisálida). Na crisálida, a lagarta se transforma em borboleta lentamente. Quando o processo de transformação termina, a crisálida se abre e a borboleta sai. Quando sua asa estica e fica seca, a borboleta está pronta para voar.
As borboletas se alimentam de vegetais e néctar. Pesam cerca de 0,3 gramas sendo que a maior pode pesar 3 gramas. Chegam a ter 32 centímetros de asa a asa. As borboletas vivem em média duas semanas.

Lepidoptera

Como as plantas se reproduzem ?

Através da polinização que é o ato da transferência de células reprodutivas masculinas ou seja: (grãos de pólen) que estão localizados nas anteras (porção terminal do estame das flores, onde os grãos de pólen ficam localizados) de uma flor para o receptor feminino estigma (área onde o grão de pólen inicia a germinação) de outra flor, ou para o seu próprio estigma. Pode-se dizer que a polinização é o ato sexual das plantas espermatófitas, já que é através deste processo em que o gameta (células sexuais) masculino pode alcançar e fecundar o gameta feminino.

A transferência de pólen pode ser através de fatores bióticos, ou seja, com auxílio de seres vivos, ou abióticos, através de fatores ambientais. Os tipos gerais de polinização são os seguintes:

  • Anemofilia: através do vento;
  • Entomofilia: Termo geral para todos os meios de polinização através de insetos, mas é um termo mais usado para polinização efetuada por abelhas e moscas;
  • Cantarofilia: com auxílio de besouros;
  • Psicofilia: efetuada por borboletas;
  • Falenofilia: através de mariposas;
  • Ornitofilia: polinização feita por aves;
  • Hidrofilia: através da água;
  • Artificial: através do homem;
  • Quiropterofilia:polinização feita por morcegos;

Polinzação entomófila